DIAGNOSTICAR NÃO É ROTULAR

“Isto me estranha! Não estou entendendo nada!” exclama, aturdido, mais de uma vez, o doutor Herzentube diante de mais um novo “caso” ao longo das páginas de Os Irmãos Karamázov de Dostoiévski. Personagem satírico que talvez represente o estado precário da medicina de sua época, o bondoso e confuso doutor certamente não é o tipo de médico que nós gostaríamos de consultar.

Desde as formulações de Hipócrates se espera do médico perícia necessária para ouvir, observar, tocar, examinar para se chegar a um diagnóstico. Mesmo naqueles tempos de limitada terapêutica, o diagnóstico apontava com algum grau de certeza o que se esperar do caso: resolução espontânea, cura após um tempo ou morte.

A psiquiatria adaptou a tradição médica para compreender e lidar com as doenças da alma e do cérebro. Mas, como essas doenças carregam consigo grande dose de subjetividade, mostrou-se uma tarefa ainda mais complexa e demorada.

Afirmar que a tristeza que a pessoa está manifestando é um sentimento normal e não uma depressão ou que as dificuldades escolares são fruto de dislexia e não preguiça pode permitir uma significativa mudança de curso na vida da pessoa; se a vida humana é preciosa, não devemos tratar com desdém a perícia necessária que evitará um futuro mais sombrio.

Estranha-me que psiquiatras sejam acusados de “rotular” toda vez que emitem um diagnóstico como, por exemplo, “episódio depressivo único, grau leve, segundo os critérios do DSM – V” e prescrevam “psicoterapia breve ou aconselhamento... medicamentos não seriam necessários”.

Diagnosticar não é rotular. Diagnosticar é resultado de conhecimento, discernimento e sabedoria acumuladas; permite tratar e cuidar em tempo. Rotular expressa ignorância, visão obtusa e carrega consigo preconceitos.

Numa época em que as pessoas se diagnosticam e escolhem seu melhor tratamento via internet, a velha sabedoria acumulada é desprezada. Rotular expressa a superficialidade apressada de nossa época. O diagnosticador é o leigo; o perito virou o rotulador! Isto me espanta! Não estou entendendo nada!

Notícia AnteriorQuando as Expectativas Fazem Adoecer
Próxima NotíciaPsicologia Cognitiva